10%

1460: A MORTE DO INFANTE D. HENRIQUE

A partir do ano da morte do infante Dom Henrique, este volume traça o percurso das primeiras décadas da expansão portuguesa, entre a conquista de Ceuta em 1415, o achamento das ilhas da Madeira e de algumas das ilhas dos Açores em torno de 1420, os avanços nas navegações pela costa africana até à dobragem do Cabo Bojador em 1434 e a descoberta de grande parte do Arquipélago de Cabo Verde em 1460. Esta não é, no entanto, a história feita meramente do suceder «uma coisa atrás da outra». O método retrospectivo é usado pelo autor para considerar e equilibrar argumentos a favor de descobertas fortuitas ou planificações cuidadas, contextualizar a importância e as possíveis intenções de cada um destes momentos no quadro cultural, político e religioso da época de transição entre a Idade Média e o Renascimento, e para nos oferecer um panorama da sociedade e da economia portuguesas na primeira metade do século XV.

Flávio Miranda

Flávio Miranda (Porto, 1982) é investigador no Centro de Investigação Transdisciplinar «Cultura, Espaço e Memória» da Universidade do Porto. Os seus interesses de investigação incluem a história económica, a histó­ria urbana, a história política e social para o período tardo‑medieval. Foi investigador de pós‑doutoramento no Instituto de Estudos Medievais da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, no CITCEM e na Universidade de Cambridge entre 2013 e 2018, enquanto bolseiro da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Entre as suas publicações mais recentes, destaca‑se «Conflict management in Western Europe: the case of the Portuguese merchants in England, Flanders and Normandy, 1250‑1500» (Continuity and Change, 2017). Foi co‑fundador do Grupo Informal de História Medie­val da Universidade do Porto, em 2008, e fundador do Workshop de Estu­dos Medievais e da publicação Incipit. É membro da comissão científica da Cátedra UNESCO «O Património Cultural dos Oceanos» da FCSH, Univer­sidade Nova de Lisboa.