LEVANTE-SE O RÉU - Tinta da China
10%

Um volume que recupera a saudosa rubrica do Público, reunindo as cem melhores crónicas do autor.

Ao longo de quase 20 anos, Rui Cardoso Martins assistiu a mais de 700 casos de justiça em sessões públicas de tribunal. Depois, fixou-os num registo literário de efeitos ora cómicos, ora comoventes, sempre com uma capacidade notável para captar a justiça e a injustiça, o chocante e o caricato.

«Levante-se o Réu contava histórias dos tribunais portugueses, com pessoas reais e crimes verdadeiros, mas havia quem julgasse que eram inventados. Que os réus, acusadores, testemunhas e magistrados seriam personagens de ficção. Mas não eram nem podiam. Todas as semanas eu voltava, por assim dizer, ao local do crime: ao tribunal. Só alterava os nomes para proteger as identidades nos casos mais delicados. Não se pode mentir em jornalismo. A realidade – a chamada vida – é que tem muita imaginação.»

Rui Cardoso Martins

Rui Cardoso Martins (Portalegre, 1967) é escritor, cronista e argumentista. É autor dos romances E Se Eu Gostasse Muito de Morrer (2006), Deixem Passar o Homem Invisível (2009, Grande Prémio de Romance e Novela APE), Se Fosse Fácil Era Para os Outros (2012) e O Osso da Borboleta (2014), bem como das colectâneas de crónicas Levante-se o Réu (2015) e Levante-se o Réu Outra Vez (2016, Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários APE). Tem livros traduzidos em diversas línguas e publicou contos em várias revistas nacionais e internacionais.
Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, foi repórter do Público na sua fundação, recebeu dois prémios Gazeta e é cronista no Jornal de Notícias e na Antena 1.
É argumentista de cinema e televisão e autor de peças de teatro, destacando-se nesta área o argumento original do filme A Herdade (2019, co-autoria), candidato ao Leão de Ouro e Melhor Argumento no Festival de Veneza, aos Óscares e aos Prémios Goya; a série policial da RTP Sul (2019, co-argumentista); e os filmes Em Câmara Lenta (2012) e Zona J (1998). Foi co-fundador das Produções Fictícias e co-criador e autor dos históricos programas de humor Contra-InformaçãoHerman Enciclopédia e Conversa da Treta.
Actualmente, é professor convidado da cadeira de Arte da Crónica, integrada na pós-graduação em Artes da Escrita da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.