MARGEM DE CERTA MANEIRA - Tinta da China
20%

Um estudo inédito sobre a extrema-esquerda portuguesa de inspiração maoista nos anos que antecederam a revolução de 1974.

No rescaldo da forte contestação ao Estado Novo verificada em 1961-62, vários opositores ao regime criticaram as acções e o rumo tomados pelo Partido Comunista Português, que acusavam de não interpretar aquele período como «pré-insurreccional» e de não agir com o vigor necessário. Articulando essa crítica com a adesão às teses chinesas no decurso do conflito sino-soviético surgiu, pouco depois, a primeira organização portuguesa de matriz maoista, a FAP/CMLP. Nos anos seguintes, assistiu-se a uma explosão de organizações maoistas, que introduziram um novo estilo de oposição, baseado na crítica feroz ao colonialismo e ao capitalismo, numa militância mais exposta e violenta, e na opção pela deserção à guerra.
Este complexo ideológico ancorava-se no meio estudantil, mas conseguiu penetrar em alguns terrenos operários e populares. Várias centenas de activistas, entre os quais se contam figuras com posterior relevo público, iniciaram aí o seu percurso político.
Miguel Cardina conta finalmente a história desta «margem política», preenchendo uma importante lacuna no conhecimento da oposição à ditadura. 

Miguel Cardina

Miguel Cardina nasceu na Nazaré em 1978. Licenciou-se em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Obteve o mestrado em História das Ideologias e das Utopias Contemporâneas e o doutoramento em História Contemporânea pela mesma instituição. É autor de A Esquerda Radical (Angelus Novus, 2010) e de A Tradição da Contestação. Resistência Estudantil em Coimbra no Marcelismo (Angelus Novus, 2008). Os seus interesses de investigação centram-se nas dinâmicas entre história, memória e testemunho oral e na análise dos radicalismos políticos durante as décadas de 1960 e 1970. É investigador do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e desenvolve um projecto de pós-doutoramento no Instituto de História Contemporânea da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa sobre as prisões de Caxias e Peniche no Estado Novo.