MENINO MALUQUINHO - Tinta da China
10%

A COLECÇÃO PERERÊ INICIOU COM ESTE LIVRO UMA NOVA SÉRIE DE CINCO VOLUMES:
O Menino Maluquinho é um clássico absoluto de Ziraldo sobre a alegre confusão que é a infância.

A língua pode ser uma cor. A língua pode ser uma festa. A língua que cá brinca à apanhada e lá brinca de pega‑pega é a mesma aqui e acolá, e cresce como uma roda gigante sempre que a deixamos girar. A Colecção Pererê existe para isso, e traz para Portugal os maiores clássicos da literatura infanto‑juvenil brasileira. Estamos entendidos? Vamos então brincar.

Este menino traquinas pensa fora da caixa, faz muita confusão e tem macaquinhos no sótão apesar de não saber o que significa ter macaquinhos no sótão. Mas entre partir alguns vasos e perder muitos cadernos, ele é também a alegria da casa, compositor de canções, o melhor namorador da escola e um companheirão. Será mesmo maluquinho, este menino? Ou será que Ziraldo concentrou num só menino aquilo que deve ser a infância?

Ziraldo Alves Pinto

Ziraldo Alves Pinto dedica-se há décadas à literatura e à ilustração. É artista gráfico, humorista, escritor, ilustrador, cartunista, caricaturista, dramaturgo e jornalista. Nasceu em 24 de Outubro de 1932, em Caratinga, Minas Gerais. Premiado no Brasil e no exterior, recebeu, entre outros, o Prémio Ibero-americano de Humor Gráfico Quevedos. Publicou o primeiro desenho na imprensa aos seis anos. Em 1960, lançou a pioneira revista Pererê, em banda desenhada, uma das suas paixões mais antigas, e alcançou tiragens mensais de 120 mil exemplares. Ainda nos anos 1960, fundou, com outros humoristas, o irreverente jornal O Pasquim e esteve presente em vários jornais do Brasil, construindo uma legião de fãs com as personagens The Supermãe, Jeremias o Bom, e Os Zeróis. Flicts, de 1969, a história poética da cor diferente que procura o seu espaço no mundo, foi um estrondoso sucesso. A partir daí, Ziraldo não parou mais de criar para o público infanto-juvenil. Em 1980, publicou O Menino Maluquinho, considerada a sua maior criação, com quatro milhões de exemplares vendidos só no Brasil.