«OLHE QUE NÃO, OLHE QUE NÃO!» - Tinta da China
10%

Os dois debates históricos da fundação da democracia portuguesa

«Olhe que não, olhe que não!» foi como Álvaro Cunhal reagiu aos constantes ataques e acusações de Mário Soares num célebre debate promovido pela RTP na noite de 6 de novembro de 1975, onde ficaram patentes duas personalidades políticas, duas conceções do mundo e duas estratégias bem distintas para o país. Realizado já com o cheiro ao golpe de 25 de novembro, o debate faz parte da história da televisão e da própria democracia. Mas o que os portugueses desconhecem é que o confronto na RTP não foi o único, nem sequer o primeiro debate televisivo entre os dois gigantes da Revolução. Quatro meses antes, já se haviam encontrado num frente a frente organizado pelo canal francês Antenne 2, numa altura em que o PS e o PCP ainda estavam aliados no IV Governo Provisório. Em novembro, porém, o PREC estava ao rubro, com o país à beira de uma guerra civil, numa escalada em que Soares e Cunhal se encaravam mutuamente como adversários, senão mesmo como inimigos.

Este livro transcreve e contextualiza esses dois grandes momentos de 1975: o educado e diplomático frente a frente da Antenne 2, uma espécie de ensaio geral para o grande e feroz combate na RTP1, que foi o ato fundador da democracia mediática em Portugal.

José Maria Brandão de Brito

José Maria Brandão de Brito nasceu em 1947. É economista e professor catedrático do ISEG/UTL, onde lecciona cadeiras de economia. Foi vice­‑reitor da Universidade Técnica de Lisboa, administrador da TAP e presidente da RTP.
Foi membro dos conselhos gerais da UTL e do ISEG, e do Conselho Geral e de Supervisão da EDP. É membro de várias instituições científicas.
Colabora regularmente, com artigos de opinião, na comunicação social escrita. É autor de livros e outros trabalhos sobre temas de economia.

José Pedro Castanheira

José Pedro Castanheira (Lisboa, 1952) é jornalista profissional desde 1974. Tem formação em Economia e uma pós-graduação em Jornalismo. Trabalhou em jornais como A LutaO Jornal e, durante 28 anos, o Expresso. Tem-se dedicado à grande reportagem e ao jornalismo de investigação, e ganhou alguns dos mais prestigiados galardões atribuídos em Portugal, entre os quais o Prémio Nacional de Reportagem de Imprensa (1993) e o Grande Prémio Gazeta (2002). É autor de uma dezena de livros, nomeadamente Quem Mandou Matar Amílcar Cabral? (1995, editado também em Itália e França); Macau: Os últimos cem dias do império (2000); A Filha Rebelde (com Valdemar Cruz, 2003, editado também em Espanha); Os Dias Loucos do PREC (com Adelino Gomes, 2006); e Jorge Sampaio: Uma biografia (2 vols., 2012/2017).