OSSO DA BORBOLETA - Tinta da China
20%

«A miséria marca o quotidiano dos dois personagens principais (e dos secundários também) e com isso o romance, seguramente um dos mais estimulantes de 2014, abre-se para a atualidade que todos os dias nos entra pelos olhos dentro. […] Um romance que é uma ruína. Uma lembrança das guerras que nos destroem. Ontem, como hoje.»
— Luís Ricardo Duarte, Jornal de Letras

Uma cidadezinha atlântica portuguesa, hoje. Praia, casino, pescadores, peixeiras, doutores, bandidos, o rasto dos refugiados judeus da Segunda Guerra. Nesta terra consumida pela grandeza do passado — ou pela falsa memória de que foi grande — um homem escondeu-se do mundo. Onde nem todos os polícias juntos o encontram. Fala com as pombas e com deusinhos gregos, tem um Olimpo de vitrine. Quem não fez isto e aquilo e aqueloutro naquela altura?
A vizinha de baixo arrasta as pantufas da velhice e da solidão, insulta as suas flores. Purificação já foi a mais bela mulher da cidade. O jogo do passado vem ter com a Borboleta. Um deus de província e do dinheiro sujo quer esmagá-la. Morre o cão, acaba a raiva.
Um romance sobre um país que não encontra lugar no mundo. Da aflição das pessoas que procuram o amor, de fracasso em fracasso. Comédia humana onde, apesar de tudo, o mal pode morrer e a vida continuar.

Rui Cardoso Martins

Rui Cardoso Martins (Portalegre, 1967) é escritor, cronista e argumentista. É autor dos romances E Se Eu Gostasse Muito de Morrer (2006), Deixem Passar o Homem Invisível (2009, Grande Prémio de Romance e Novela APE), Se Fosse Fácil Era Para os Outros (2012) e O Osso da Borboleta (2014), bem como das colectâneas de crónicas Levante-se o Réu (2015) e Levante-se o Réu Outra Vez (2016, Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários APE). Tem livros traduzidos em diversas línguas e publicou contos em várias revistas nacionais e internacionais.
Licenciado em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, foi repórter do Público na sua fundação, recebeu dois prémios Gazeta e é cronista no Jornal de Notícias e na Antena 1.
É argumentista de cinema e televisão e autor de peças de teatro, destacando-se nesta área o argumento original do filme A Herdade (2019, co-autoria), candidato ao Leão de Ouro e Melhor Argumento no Festival de Veneza, aos Óscares e aos Prémios Goya; a série policial da RTP Sul (2019, co-argumentista); e os filmes Em Câmara Lenta (2012) e Zona J (1998). Foi co-fundador das Produções Fictícias e co-criador e autor dos históricos programas de humor Contra-InformaçãoHerman Enciclopédia e Conversa da Treta.
Actualmente, é professor convidado da cadeira de Arte da Crónica, integrada na pós-graduação em Artes da Escrita da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.