PRAIA - Tinta da China
35%

VERSÃO DE PEDRO MEXIA
TRADUÇÃO DE JOÃO REIS

Um casal, Jan e Sanne, conhece outro casal, Benedikte e Verner, num hotel isolado, durante umas férias de Verão. Ano após ano, voltarão a esse hotel, sem que fiquem alguma vez nítidas as fronteiras entre o convívio, a confissão e o confronto. E, entretanto, as suas vidas cruzam-se fora do tempo de férias. Comédia agreste, A Praia é uma obra maior de um grande dramaturgo contemporâneo.

«Vou-lhe dizer que pardieiro é este onde veio parar. Aqui não se faz a ponta de um corno. Não há música nem sítios aonde ir. Se quiser momentos de diversão, tem de os inventar você. Há a praia, onde se encontra âmbar que depois pode levar para casa. Temos a casa cheia de âmbar. Pedacinhos de âmbar por todo o lado. […] O gerente toma conta do hotel sozinho, e a comida e o serviço não são nada do outro mundo. A única coisa boa deste sítio é que não há crianças. As crianças haviam de morrer de tédio se passassem cá as férias. Os poucos hóspedes que aqui aparecem são sempre esquisitos e preferem manter-se isolados. Mais café?» 

Peter Asmussen

Um dos mais conhecidos e premiados dramaturgos escandinavos, o dinamarquês Peter Asmussen (1957-2016), cuja carreira esteve ligada ao Teatro Real de Copenhaga, tem sido representado e traduzido em várias línguas. Em Portugal, está publicado o volume Crime e Outras Peças(Artistas Unidos / Livros Cotovia, 2008), que inclui Sangue Jovem (1993) [espectáculo estreado no Centro Cultural de Belém, com encenação de Beatriz Batarda], Quarto com Sol(1997), Queimados pelo Gelo (1997) e Crime (2002). A Praiaé de 1996. Asmussen também escreveu prosa, ficção, libretos e guiões de cinema e televisão. Foi co-argumentista de Ondas de Paixão (1996), de Lars von Trier.